quem somos | notícias | cursos | espaço expositivo | serviços | contato

Acompanhe a residência pelo instagram @coletivonacasa ou facebook @nacasacoletivoartisticoflorianopolis

edital e formulário de inscrição: http://residenciaartistica.nacasa.art.br/

datas da residência: de 06/03/2021 a 24/04/2021 aos sábados, das 9h às 12h

Período de Inscrições: de 20/01/2021 a 20/02/2021 até às 23:59h.

Resultado da seleção: 28/02/2021

Chamada dos suplentes caso haja desistência: 10/03/2021

Encontro 1. Dia 06/03/2021 foi realizado o primeiro encontro, via plataforma Zoom Meetings. Todos os artistas estiveram presentes e se apresentaram. O encontro 1 foi facilitado por Anna Moraes e uma primeira proposição foi lançada para o próximo encontro.

Encontro 2. No dia 13/03/2021 aconteceu o segundo encontro da residência artística remota, conduzida por Diego de los Campos. O artista comentou sobre algumas de suas referências para a criação de seus trabalhos recentes. A questão do poema dadaísta nas instruções de Triztan Tzara, a noção de ‘terceiro cérebro’ em William Burroughs e algumas partituras de Jonh Cage apareceram durante a manhã de sábado. Além disso, Diego lançou uma proposta aos residentes e mostrou como ele resolve seu fluxo intenso de ideias a partir do programa “processing” que combina textos de modo programado pelo artista. Todo o material e programação foi disponibilizada e lançada como exercício aos artistas residentes.

Encontro 3. O encontro 3 da residência artística aconteceu no dia 20/03/2021. Leandro Lopes apresentou sua trajetória que iniciou com a formação em Ciências Biológicas e encaminhou-se para um aprofundado estudo/produção de ilustração científica. O artista abriu a discussão pela via de três caminhos fundamentais: a questão do desejo por realizar algo, uma busca por reconhecimento no campo de atuação, e, problemas relacionados ao retorno financeiro. Essa tríade compõe os critérios para pensar trabalhos artísticos, e levaram Leandro a dividir seu portfólio como “ilustrações” e “querendo ser artista”. Os residentes puderam perceber no trabalho de Leandro um gesto “coletor” de vídeos e fotos, como um arquivo de imagens para trabalhos futuros, além disso, iniciar a conversa sobre soluções financeiras.

Encontro 4. O quarto encontro da residência artística aconteceu no dia 27/03/2021. A artista Meg Tomio Roussenq foi a responsável pelo encontro e reforçou a importância de cada artista olhar para a sua produção em busca de encontrar/entender de onde partiu e onde está agora. Meg apresentou trabalhos de diversas fases de sua produção e revelou seus interesses pictóricos de formar narrativas, explorar materiais e procedimentos, e, elaborar questões de memória. O grupo debateu sobre referências e repertórios e a artista procurou expor como sua formação e experiência de vida desdobrou-se em uma pintura que envolve camadas de imagens/textos com/sobre a pele, a carne e a pedra. Por fim, Meg buscou encorajar as artistas residentes a acreditarem em seus processos/pensamentos/ações e propôs alguns exercícios para a semana.

Encontro 5. No dia 3 de abril aconteceu o quinto encontro, a artista Anna Moraes foi a responsável por este encontro que teve como foco o acompanhamento dos exercícios realizados pelas artistas. Anna iniciou a conversa com duas questões chaves: o que estamos interessados em realizar? E o que é possível fazer? Ela lançou problemas a serem pensados para que todos pudessem apresentar como resolveram as proposições dos encontros anteriores. Entre eles está a relação tamanho/formato, tema/problema, dispositivos e principalmente possibilidades de desdobramentos.

Encontro 6. O sexto encontro aconteceu no sábado 10 de abril. O artista Gabriel propôs um momento de avaliação de processo a partir da montagem de portfólios artísticos. Tanto no sentido de um fichário sequencial de obras realizadas, quanto na ordenação digital de trabalhos inéditos. O portfólio parte da busca e organização de pastas, arquivos, mapas, cartografias, diários e anotações acerca da produção de cada artista e favorece à reinvenções e entendimentos sobre seus próprios trabalhos. Villas disponibilizou um modelo simplificado e abordou questões como a “famosa” mini bio, detalhes formais, temáticas, ordens, aspectos conceituais e narrativos. Foi sugerido um exercício que envolve a seleção, avaliação, recorte e modos de apresentação e pensar possíveis direcionamentos como portfólio para residências, exposições, intervenções e vendas.

Encontro 7. O encontro 7 da residência artística aconteceu no sábado 17/04/2021 com Gabi Bresola. Gabi contou um pouco sobre sua carreira de produtora e destacou a experiência conquistada em festivais de teatro, produções de cinema, projetos de artes visuais e feiras de publicações. Gabi iniciou a conversa sobre mecanismos de financiamento para o setor artístico delimitado em editais públicos, leis de incentivo fiscal e patrocínios privados e apresentou três eixos importantes para a escrita de um projeto. O primeiro consiste na concepção, reflexão e escrita de um projeto de artes visuais, em suas múltiplas possibilidades e necessidades. O segundo, constitui-se na elaboração de um dossiê (descrição, texto curatorial, seleção de trabalhos, plano educativo, de produção, de divulgação, orçamento e de execução) considerando a linguagem da escrita e detalhes que as artistas devem se atentar. E o terceiro eixo consiste na busca, interpretação e decupagem de editais aptos a acolher as propostas criadas. Por fim, Gabi aprofundou questões levantadas nos encontros anteriores e forneceu modelos flexíveis para que cada artista possa desenvolver seus projetos com qualidade e praticidade.

Encontro 8. Oúltimo encontro da residência artística aconteceu no dia 24/04/2021. Os residentes puderam compartilhar processos, inseguranças e ideias com total atenção, respeito e confiança mútua. A proposta desse encontro foi voltada para as artistas comentarem o andamento de suas pesquisas, pontuarem questões conquistadas com o grupo, e, planejar meios de difusão dos processos sem a cobrança de um trabalho final. Pudemos perceber nas comunicações que os encontros possibilitaram maior entendimento sobre as pesquisas e um avanço considerável no desenvolvimento de uma comunicação clara e objetiva sobre os trabalhos/projetos, com foco em assumir a responsabilidade das escolhas tomadas. Conforme os relatos no último encontro, a residência auxiliou a ‘deixar fluir o trabalho’, ‘trouxe um sentimento de pertencimento e trocas familiares’, favoreceu ‘repetir à exaustão as proposições’, ‘se permitir testar sem medo’, mais ‘persistência e pé no chão’ e ‘repensar onde estou e como atuo‘ (falas dos artistas residentes). Surgiram processos impressos, móbiles, projetos de mestrado, pesquisas novas, conclusão de pesquisas em andamento, projetos fotográficos, de murais, séries pictóricas, desenhos, objetos e processos híbridos. O que só reitera nossa admiração à força e qualidade do trabalho de artistas em Santa Catarina.

Publicada em:
28/02/2021

Compartilhe:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on TumblrEmail this to someone